Escrita

A escrita é a pintura da voz.” (Voltaire)

É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão.” (Cesare Pavese)

 

Produção de cordéis20160908_134810

Lendas da minha vó

Da época da minha avó

Muitas histórias ela contava

De quando ela era criança

De muitos causos ela falava

Das noites de lua cheia

Quando fantasmas por lá passavam

Ninguém podia ter medo

Dos causos que ela contava

Sempre muito assombrados

Mas me deixavam apavorado

Apesar de ficar ouvindo

Sempre muito calado.

As histórias pareciam

Sempre muito verdadeiras

Ela contava com calma

E bastante seriedade

Contava nas noites escuras

Com bastantes variedades

Hoje só tenho lembranças

Sei que nada era realidade

Mas gostava de ouvir

Estas histórias de verdade

Por isso posso contar pra vocês

Com o coração cheio de saudades.

Rogens Campos

Mosquito da dengue: o mosquito danado

Vim aqui para falar

De um mosquito danado

Aparentemente indefeso

Mas anda causando estrago

Ele é o mosquito da dengue

Cuidado pra não ser picado.

Este pequeno mosquito

Veio a população apavorar

Gosta de água parada

Chicunguya nunca ouvi falar

Uma doença esquisita

Mas que veio pra matar.

Cuidado com seu quintal

E com este mosquito listrado

Gosta de água limpinha

De pernilongo pode ser chamado

Mas não confunda minha gente

Pois pode  ser arriscado.

Dor de cabeça e febre bem alta

A zica esqueci de citar

Mas escutem muito bem

Ele gosta de ovinhos botar

Nesta água que você esqueceu

Ele vai se proliferar.

Mais um aviso vou dar

Um comunicado geral

Vamos ficar em alerta

Caso você passe mal

Procure ajuda de um médico

Corra até o hospital.

Vou contar uma coisa

Meu irmão já foi picado

Mas agora ele está bem

Morava sozinho o coitado

Disse que a picada é doída

Deu tempo de ser curado.

A pior de todas elas

É a dengue hemorrágica

Desculpa aí minha gente

Mas esta aparece e mata

Vocês não tem noção

É uma doença bem rápida.

Terminando por aqui

Quero pedir uma coisa

Limpe a calha entupida

E a caixa d’água de casa

Para que futuramente

Não precise da fumaça.

Tatiane Schoemberger e Elisa

Triste infância

Neste mundo tem tanta criança

Que nem consegue brincar

Não vivem a sua infância

Porque tem que trabalhar

Nos sinaleiros vendem doces

Ou só pedem uns trocados

Muitos trabalham por precisão

E ainda são maltratados.

Que dó destas crianças

Vivem nas ruas a trabalhar

Muitas com fome e com frio

Sem oportunidade de estudar.

Criança tem que brincar

Bola, boneca ou pique esconde

Mas acima de tudo estudar

Para quem sabe um dia

Um doutor possa se tornar.

A maior riqueza de alguém

é ter o conhecimento

Aprender tudo o que pode

Sem perder muito tempo

E lutar para um mundo melhor

Com humanidade e sentimento.

Não tire o direito das crianças

De brincar e de estudar

Isso tudo pertence a ela

É o mínimo que podemos lhe dar.

Silmara e Lúcia

Cordel da Amizade

Amizade se cultiva

Na internet ou pessoal

No passo a passo, no dia a dia

No sonhar do virtual

Realidade e fantasia

No universo sideral

Seja amigo ou amiga

Com muita solidariedade

Não há dinheiro que compre

A verdadeira amizade

Cultive o amor e o carinho

Semeie a fraternidade

No bom relacionamento

Não existe a falsidade

Bons amigos se confiam

Desconfie das inverdades

A mentira é ilusão

Busque a sinceridade

A amizade é coração

É um grande sentimento

O livro também é bom amigo

Alivia o pensamento

Amizade é coisa séria

Que não se perde ao vento

Bons amigos no dia a dia

Navegantes do real

Astronautas do eterno

Do espaço virtual

Amizade é tudo

Do universo sideral

Dê a mão a um amigo

A uma amiga e ilumine

Ame carinhosamente

A hipocrisia elimine

Ame com toda a ternura

Só à amizade se destine.

Matheus Júnior e Weslen

Cordel do triste amor

Agora vou lhes contar

Uma história que faz chorar

É a historia de um casal

Que não deixam de se amar.

Era uma pura loucura

Querer sempre ficar junto

Eram tão diferentes

Parecia um absurdo

Era coisa do destino

Eles se conhecerem

Foi um dia oportuno

Para eles se verem

Porém foi embora a alegria

Naquele fatídico dia

Nunca mais foi igual

Foi embora a alegria

Ela moça da cidade

E ele veio do mato

Isso já começou errado

Não deviam ter se apaixonado.

Ele menino sonhador

E ela moça decidida

Ele sem muita ambição

Ela cheia de planos na vida.

Ela pensava nos estudos

Ele em formar família

Do mundo ela queria muito

E ele pouco a satisfazia.

A linda jovem iludia

Aquele bobo caipira

Que amava sem medida

Aquela doce menina

Mas um dia ela se  apaixonou

E aí tudo complicou

Viu o que era o amor

E sentiu de perto a dor.

Ele enfim foi embora

Ela arrependida chorou

Perdera seu grande amor

Nada mais lhe restou

Sua confiança não mais recuperou

E pra ela tudo acabou

Ficando um amor perdido

E sua vida sem nenhum sentido.

Letícia Ribas Batista

Cordel do Meio Ambiente

Hoje eu quero lhe falar

Do nosso meio ambiente

É o fenômeno natureza

Que todos os dias cercam a gente.

Mas nem sempre é só beleza.

Dos animais tiram a vida

A proteção e os alimentos

Será que haverá saída

Estão causando tanto sofrimento.

Quando o homem faz sua parte

Ele só tem a ganhar

Protegendo a natureza

Inteligência é preservar

E com um lindo mundo sonhar.

Construindo um mundo melhor

Onde todos possam encontrar

A beleza e a vida

Das matas, dos rios e do ar

A natureza agudando

Para a nossa vida melhorar.

Quando todos fazem a sua parte

O mundo só tem a ganhar

Natureza transformada em arte

Com a certeza de sempre amar.

Letícia e Luciana.

Os três porquinhos

Atenção oh meus amigos

A história vai começar

O conto dos três porquinhos

Que agira eu vou contar

Escutem com carinho

Pra só depois interrogar.

Era uma vez na floresta

Três porquinhos a habitar

Moravam com sua mãe

Tiveram que separar

A mamãe adoecera

Não podia mais cuidar.

Cícero tinha preguiça

Não queria se cansar

Construiu com muitas palhas

A casa onde ia morar

Mas o lobo deu um sopro

E ela não custou a desabar.

O porquinho chamado Heitor

Achou que tinha esperteza

Fez uma casa com madeira

Que vinha da natureza

Quando o lobo soprou

Ficou cheio de tristeza.

Enquanto isso o Prático

O porquinho inteligente

Trabalhou de sol a sol

Agindo bem diferente

Fez a casa com tijolos

Pra ficar bem resistente.

O lobo impaciente

Tentou a casa derrubar

E se sentiu fracassado

Quando se pôs a soprar

Viu que a casa era forte

Não podia derrubar.

O lobo ficou irritado

E com o cabelo em pé

Foi então que resolveu

Entrar pela chaminé

Prático acendeu a lareira

Então o lobo deu no pé.

Foram felizes pra sempre

Acabou a contação

E se gostaram da história

Expressem sua opinião

aqui nós nos despedimos

Agradecemos a atenção.

Thaiane e Natália

O cordel dos vereadores de Guarapuava

Guarapuava está muito mal

Com tanta corrupção

Está afetando o povo

Isso é uma judiação

Queria fazer um alerta

Pra esta situação.

Na nossa cidade tem muitos

Políticos que vem e que mentem

E o povo fica sofrendo

Não dá pra seguir em frente

Sofrem na fila do UPA

Que coisa mais indecente.

Enquanto que os vereadores

Só querem é ganham mais

Votar pra aumentar subsídios

É a única coisa que se faz

Nenhum projeto é votado

Acho quem não são capa

de ocupar este cargo

Vereadores não dá mais.

Sempre fico desconfiado

Do que eu vejo na câmara

Sempre muito decepcionado

Vendo os seus interesses

No povo eles não pensam

Isso me deixa apavorado.

João Adir e Joelson

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s